Veja o que foi apresentando no primeiro dia dentro do grupo:


Introdução


Apenas para ilustrar um pouco como a nossa mente funciona:
👇🏼👇🏼👇🏼👇🏼


Vamos começar?

Por um acaso você já viu essa cena? De um lado da rua há um restaurante cheio. Do outro lado da rua, um restaurante vazio.

Possivelmente você deve ter imaginado: o restaurante cheio deve ser melhor do que o restaurante vazio, pois atraiu mais clientes. Se for para escolher, escolho o cheio. Não vou me arriscar no restaurante vazio.

Por qual motivo isso acontece?

Esse é o gatilho Prova Social. Falo sobre ele no vídeo abaixo.
👇🏼👇🏼👇🏼👇🏼


TRANSCRIÇÃO DO QUE FOI FALADO HOJE NO GRUPO:


[08/10/2018 08:47:46] Mauricio Cardoso: Bom dia Pessoal! Vamos começar?

Por um acaso vocês já viram essa cena? De um lado da rua há um restaurante cheio. Do outro lado da rua, um restaurante vazio.

Possivelmente você deve ter imaginado: o restaurante cheio deve ser melhor do que o restaurante vazio, pois atraiu mais clientes. Se for para escolher, escolho o cheio. Não vou me arriscar no restaurante vazio.

Por qual motivo isso acontece?

Esse é o gatilho Prova Social. Falo sobre ele no vídeo abaixo.
👇🏼👇🏼👇🏼👇🏼

[08/10/2018 08:47:59] Mauricio Cardoso: https://youtu.be/S8KiLW7LJL8

[08/10/2018 09:02:17] Neyle Rossoni (GM1): Assistido.
Pensando.... pensando... pensando...
Assim que tiver o resultado do pensamento posto aqui

[08/10/2018 09:28:19] Renan Rocha (GM1): Pelo o que entendi, a Prova Social é um gatilho de decisão em detrimento da maioria, ou de uma chancela que facilite a escolha.

Sobre a questão das avaliações, costumo pedir aos meus clientes que avaliem na fanpage da Limonada. São cerca de 50 avaliações, todas 5 estrelas. Inclusive, semana passada, uma pessoa me procurou, buscando uma proposta de consultoria de marketing. Perguntei como chegou até o meu contato e ela contou que viu recomendações da Limonada em um grupo do Facebook, o Agenda Carioca, e entrou na fanpage e viu boas avaliações e ficou motivada a me ligar. Muito legal!

Sobre o exemplo do Netflix, concordo que as avaliações (estrelas, ou % de relevância) influenciem na decisão. Só vejo um filme com avaliação baixa, se outras pessoas que viram recomendam. Às vezes são aqueles filmes independentes, fora do circuito ou mais cabeça, que a maioria não gosta.

Concluindo, este primeiro gatilho eu tenho que buscar mais. Pedir mais avaliações de clientes e ex-clientes. Confesso que fiz um esforço apenas 1 vez, pedindo avaliação. Preciso fazer disso um hábito. Tanto nas redes sociais, quanto em grupos que participo, etc.

[08/10/2018 09:38:51] Mauricio Cardoso: Perfeito, Renan. É isso mesmo. Quando estamos na dúvida sobre um produto ou serviço, buscamos parâmetros para tentar deixar a escolha mais fácil.

Nosso cérebro entende que se outras pessoas já compraram e avaliaram bem, o meu risco de decidir errado é menor. Vou com a maioria.

Às vezes nem percebemos que fizemos isso. Compramos o item mais popular, o que está na moda, o que tem boas avaliações, mais estrelinhas e por aí vai.

[08/10/2018 09:40:21] Bernardo Prata (GM1): Nem preciso dizer que AMEI esse curta!!!! Muito bommm!!!!! 👏👏👏👏👏👏👏👏👏

[08/10/2018 09:45:44] Mauricio Cardoso: Muito bom mesmo.

[08/10/2018 09:46:09] Mauricio Cardoso: Pedir depoimentos e avaliações aos atuais clientes ajuda muito. Deveria ser uma ação sistemática da empresa. Sempre após a entrega do produto/serviço pedir que o cliente avalie todo o processo. Isso ajuda também a melhorar a experiência do cliente.

Existe uma pesquisa, a NPS, que é sensacional para avaliar a satisfação e experiência do cliente. São apenas duas perguntas.

Vale a pena pesquisar sobre NPS e implantar no negócio.

[08/10/2018 09:46:21] Otto Rodolfo Lazoski Rodolfo Lazoski (GM1): Leio esses depoimentos sempre com um pé atrás... em tempos de fake News duvido até da minha sombra! Kkk

[08/10/2018 09:48:31] Mauricio Cardoso: Sim. Concordo. Por isso, depoimentos em vídeos são importantes. Quanto mais naturais melhor. Outro maneira é concorrer a algum tipo de prêmio. Alguma entidade que possa comprovar e atestar a sua qualidade.

[08/10/2018 09:50:31] Neyle Rossoni (GM1): tb sempre tive dúvidas em relação a depoimentos
tenho a visão que, a não ser que seja facilmente comprovado, pode ser algo inventado
já o depoimento em vídeo, dá muito mais veracidade

[08/10/2018 09:54:07] Renan Rocha (GM1): https://satisfacaodeclientes.com/pesquisa-de-satisfacao-do-cliente-como-montar-modelo-moderno-e-inteligente/

[08/10/2018 09:54:31] Mauricio Cardoso: <mensagem de áudio>.

[08/10/2018 09:55:21] Mauricio Cardoso: 👍🏼

[08/10/2018 09:55:58] Neyle Rossoni (GM1): https://mindminers.com/pesquisas/o-que-e-e-como-utilizar-o-nps-no-marketing-do-seu-negocio

[08/10/2018 09:57:44] Mauricio Cardoso: 👍🏼

[08/10/2018 10:05:29] Paulo Castro (GM1): Eu fui o primeiro a fazer a inscrição pela margem de erro

[08/10/2018 10:07:13] Renan Rocha (GM1): No exemplo do restaurante, vendo pelo lado negativo, a pessoa pode chegar, ver a fila e, por mais que ache que o restaurante seja muito bom, pode pensar que não será atendido devidamente, ou não está disposto a esperar e procura outro.

Isso se aplica a muitas áreas profissionais. Imagine a sua empresa ser reconhecida pelo trabalho de excelência, estar em franca expansão, porém sem a estrutura necessária para absorver a demanda. Das duas, uma: ou a qualidade do trabalho cai e os clientes sentem, ou potenciais clientes não vão te esperar, procurando outra empresa.

Tem os dois lados: enquanto médicos, restaurantes e outros profissionais, produtos e serviços, se utilizam da escassez para criar valor, outros perdem valor ao não conseguir gerenciar a demanda.

Acho que estou me adiantando... de repente, escassez é um gatilho e eu nem sei... 🙃

[08/10/2018 10:11:38] Otto Rodolfo Lazoski Rodolfo Lazoski (GM1): No final das contas, o teu feeling é que tem que ser considerado!

[08/10/2018 10:11:42] Mauricio Cardoso: <mensagem de áudio>

[08/10/2018 10:14:22] Renan Rocha (GM1): Perfeito!

[08/10/2018 10:15:08] Bernardo Prata (GM1): Queria lançar uma pergunta: *Vocês acham que é válido como PROVA SOCIAL, mostrar no seu site uma seção de CLIENTES?* Atenção! Nesse caso, não são depoimentos, são apenas MARCAS!

[08/10/2018 10:17:11] Bernardo Prata (GM1): Algumas empresas tem essa seção nos seus sites, outras não... No site do AQUELES CARAS sempre teve, por isso estou levantando essa reflexão... 🤔

[08/10/2018 10:18:53] Mauricio Cardoso: Vou deixar para vocês responderem

[08/10/2018 10:19:53] Pablo Dornellas (GM1): Olá pessoal

Muito rico o conteúdo, o que vcs acham de depoimentos em vídeos?

[08/10/2018 10:23:15] Neyle Rossoni (GM1): Muito difícil e muito controverso.
Eu sempre tive dúvidas, também em relação a isso.
Vejo em relação de clientes, pessoas que colocam lá: Shell, Nike, Coca Cola...  E vejo pelo perfil daquela empresa, que ela não tem perfil para atender clientes daquele porte
Então, me soa falso.
E fico me perguntando, se eu não atendo o cliente de grande porte, se não tenho uma referência de nome pesada, mas tenho trocentos clientes pequenos, ilustres desconhecidos, listar estes clientes me gera autoridade?

[08/10/2018 10:26:34] Neyle Rossoni (GM1): Como será que o meu cliente vê a minha lista de clientes?
Mais de uma vez, a famosa lista pública de clientes me trouxe problemas.
Um deles, que foi uma encrenca pra resolver, foi o fato de um possível cliente ligar (sim, ele ligou) para os clientes listados para pedir opinião.
E pediu opinião, e fez duzentas perguntas.
E alguns não gostaram, consideraram intromissão. E um deles me passou um baita sabão, que eu estava expondo o nome da empresa deles.
E aí? Vale a pena manter e correr o risco?

[08/10/2018 10:31:41] Renan Rocha (GM1): Pra mim, é uma faca de dois gumes: Se colocar clientes grandes, o pequeno vai achar que não é pra ele. Se colocar os pequenos, o grande não terá interesse.

Mas avalie se mesclar, da forma que eu apresento abaixo, é uma boa saída:

No seu caso, Bernardo, creio que os seus personagens possam aparecer mais que os clientes... Colocando o mascote do AquaRio, por exemplo, é uma imagem de domínio público, as pessoas conhecem. Penso que você possa colocar apenas os trabalhos e uma legendinha. Acho que funcione também para o mascote da Voltz, apesar de não ser muito conhecido, mas vai ficar ao lado de trabalhos de maior repercussão.

Concluindo, acho que pode mesclar desta forma... com os trabalhos, não com as marcas.

[08/10/2018 10:37:36] Neyle Rossoni (GM1): "Se colocar clientes grandes, o pequeno vai achar que não é pra ele. Se colocar os pequenos, o grande não terá interesse."
Também tem isso.
O grande vai achar que vc não é capacitado para atendê-lo.
E o pequeno se assusta, pode pensar que vc não terá interesse em atendê-lo.

[08/10/2018 10:39:48] Camilla Conceição (GM1): No meu caso, onde o motivo do trabalho nem sempre é belo (a maior parte dos trabalhos ainda é remediar, e não prevenir), não coloco. E também já tive vários questionamentos sobre a questão de porte das empresas.... Sigo em dúvida! hahaha

Mas acho que a natureza do seu trabalho é diferente e não tem tanto problema. Talvez, somente a questão do porte do cliente. Mas você pode pensar em algo para mostrar que você trabalha com todos (se for o caso).

[08/10/2018 11:18:36] Renata Habib (GM1): Excelente!

[08/10/2018 11:42:15] Renata Habib (GM1): Mas normalmente, pra se colocar a marca de um cliente no site, é preciso pedir autorização para ele, certo? Se ele autorizou, vc não tem culpa de um maluco resolver ligar pra todo mundo. Agora, se ele não autorizou...

[08/10/2018 11:42:18] Renan Rocha (GM1): Tenho clientes que, por contrato, não posso divulgar o trabalho ao grande público.

[08/10/2018 11:43:18] Renata Habib (GM1): Boa ideia! Os personagens falam por si

[08/10/2018 11:43:33] Renan Rocha (GM1): 😃👍🏼

[08/10/2018 11:45:52] Neyle Rossoni (GM1): pois é
no nosso contrato, está previsto a divulgação de nossa assinatura em todos os projetos e a divulgação do nome do cliente em eventual portifólio

[08/10/2018 11:46:22] Neyle Rossoni (GM1): isso, eu faço
mandar uma proposta para um cliente e colocar referencias, eu faço
mas colocar publicamente, não faço mais

[08/10/2018 11:46:33] Renata Habib (GM1): No meu caso, depoimento é tudo! Ahaha. Mas já tentei estimular nas redes sociais que as pessoas comentem, etc e não fui muito bem sucedida... tenho depoimentos, mas mais nos stories (que saem depois de 24h). Quando refizer o site quero buscar mais depoimentos pra colocar de forma permanente...

[08/10/2018 11:47:04] Renata Habib (GM1): Então teoricamente o cliente não tem do que reclamar...mas

[08/10/2018 11:47:08] Neyle Rossoni (GM1): "Quando refizer o site quero buscar mais depoimentos pra colocar de forma permanente..."
Estou à sua disposição!
❤❤❤

[08/10/2018 11:47:48] Renata Habib (GM1): 😘❤

[08/10/2018 11:49:56] Neyle Rossoni (GM1): Hehhehe
Mas.... cliente quando tá a fim de reclamar... reclama!

[08/10/2018 12:02:13] Renata Habib (GM1): Vdd!

[08/10/2018 12:05:12] Você adicionou Ana Cristina Von Jess

[08/10/2018 12:08:27] Andreia Krajcer (GM1): Acredito que relacionar marcas de clientes atendidos gera credibilidade. Esta prática como foi lembrada aqui, deve certamente estar respaldada por uma autorização do cliente.
Enquanto consumidora, essa relação de clientes atendidos funciona como cartão de visitas. Depois é a “Vera” no contato pessoal para uma segunda avaliação. Acredito que varios fatores são levados em conta na decisão de compra. Por isso tanto depoimentos como relação de clientes atendidos podem colaborar como um dos fatores iniciais para escolha dentre tantos no mercado.

[08/10/2018 12:32:16] José Haddad (GM1): Eu fui o primeiro.  Fiz isso porque acredito em você e seu profissionalismo,  além de gostar muito de você ❤. 😘

[08/10/2018 12:32:38] Você adicionou Roberto Correa - G16

[08/10/2018 12:33:36] Ana Cristina Von Jess: Eu não fui a primeira a me inscrever, mas o que me chamou atenção foi sem dúvida: Quer negociar melhor?

Escrever textos mais persuasivos?

Fazer propostas mais atraentes?

Fechar vendas com mais facilidade?

[08/10/2018 12:34:14] Ana Cristina Von Jess: Terminei as frases convencida de queria participar!

[08/10/2018 12:38:57] Ana Cristina Von Jess: Sou muito guiada pela avaliação de quem já viu ou já viveu. Não pauto minhas decisões pela avaliação dos outros, mas sem dúvida elas me ajudam a formar meu convencimento, a arriscar a contratação ou não de um serviço. Reservar hotéis, contratar empresas novas e desconhecidas etc, considero muito importante ouvir quem já contratou e quem já viveu. Se hoje temos acesso a essas informações não temos mais porque cair em alguns erros que antigamente eram mais explicáveis. Acho tb que a possibilidade de ser avaliado a qq tempo faz com que as empresas se preocupem mais com a qualidade de seus produtos e serviços..enfim..um verdadeiro cíclo virtuoso...

[08/10/2018 12:49:56] Renan Rocha (GM1): Comigo também foi por aí.

[08/10/2018 12:51:29] Mauricio Cardoso: <mensagem de áudio>

[08/10/2018 13:14:51] Ana Cristina Von Jess: Perfeito! Como trabalho com franquias vejo mais um "fenômeno" que talvez vc Mauricio saiba o nome...muitos candidatos à franquia, se apaixonam pelo que ela representa sem nenhuma avaliação racional. Acham a marca bacana, gostam da loja, pensam no status de serem donos daquele negócio etc...as vezes está nítido que o sistema é falho, que o plano de negócios é furado, mas por mais que argumente, que aconselhe que devem procurar outros franqueados e estudar mais...parece que a decisão já está tomada (totalmente emocional) e absolutamente NADA do que falamos serve como argumento...como é que chama isso? Sandice?? rsrs

[08/10/2018 13:28:21] Renata Habib (GM1): Ahahaha.

[08/10/2018 13:29:06] Ana Cristina Von Jess: é muito impressionante essa opinião formada emocional....não consigo entender

[08/10/2018 13:29:16] Mauricio Cardoso: Hahahah. Pode ser! Acredito que o nome seja "encantamento". Literalmente mesmo!

[08/10/2018 13:30:15] Mauricio Cardoso: É a emoção que manda! Sempre.

[08/10/2018 13:32:27] Ana Cristina Von Jess: Impressionante...mesmo com muito dinheiro envolvido...imaginei que houvesse algum gatilho que em algum momento foi despertado nessa gente, pq é surreal

[08/10/2018 13:37:47] Paulo Castro (GM1): Mas não é fácil você colocar um cliente pra fazer um video e te mandar, e a vergonha dele em fazer video? Vocês não tem essa dificuldade?

[08/10/2018 13:38:08] Renata Habib (GM1): Tenho! Ahahah. Super!

[08/10/2018 13:39:19] Mauricio Cardoso: É um conjunto de gatilhos: acham a marca bacana, gostam da loja, pensam no status de serem donos daquele negócio e etc. Todos ligados ao lado emocional.

Imagina a guerra dentro da nossa cabeça:

RAZÃO
É muito dinheiro

EMOÇÃO
Mas a marca é bacana. Vale a pena (risco)

RAZÃO
O plano de negócios é furado

EMOÇÃO
Mas eu gostei tanto da loja. Damos um jeito. Vale a pena

RAZÃO
É muito dinheiro

EMOÇÃO
A gente parcela. Vale a pena.

[08/10/2018 13:39:55] Ana Cristina Von Jess: é isso mesmo...impressionante

[08/10/2018 13:39:57] Renata Habib (GM1): 😂

[08/10/2018 13:46:10] Mauricio Cardoso: Peça para 100 clientes. 10 vão aceitar fazer.

[08/10/2018 13:48:03] Bruno Lisboa (GM1): @5521984633047 entrei no grupo por conta de vc! kkk... Esse foi o ponto principal. Em segundo lugar, para estar mais atento em relação a maneira de como me coloco comercialmente, seja em reuniões ou em materiais de venda.

O que posso contribuir em relação ao gatilho de hoje, *Prova Social* , é que, além do que foi dito sobre no vídeo e nos comentários do colegas, este gatilho também serve como ferramenta de *posicionamento de marca/produto/serviço*. Lembra daquele ditado "diga-me com quem andas e te direi quem és?"  Então, buscar provas sociais relacionadas com nichos também é fundamental para a conquista dos objetivos junto aos segmentos de mercado.

[08/10/2018 13:49:15] Mauricio Cardoso: Perfeito!!!!!!!

[08/10/2018 14:42:40] Bernardo Prata (GM1): Boa Bruno!!! 🤘🤘🤘🤘🤘🤘🤘🤘

[08/10/2018 15:01:29] Você adicionou Fabio Guimaraes

[08/10/2018 15:01:41] Ana Cristina Von Jess: Perfeito!

Conteúdo do segundo dia:

O gatilho que vou compartilhar com vocês hoje é o Gatilho da Antecipação ou Curiosidade.

Ficaram curiosos? Então assistam ao vídeo:
👇🏼👇🏼👇🏼👇🏼